SONHO IMAGINOSO

(Guito Argolo, Gonzaga Leal e J. Velloso)   

 

Só se vê e entende as coisas d'um modo

Úmidas de rio, de orvalho

De tons de frutas de feira

Que vêm de reinos encantados

Soltas, ricas, coloridas e tímidas

Como flores, conchas e mato entrelaçado

Sou das coisas simples

Pertenço aos meus guardados

Sou o fundo dos rios

E do mato intrincado

Sabe do que estou falando:

Memória, memória

Memória é labirinto

Age noite e dia como num quarto

Com uns objetos dormindo

Outros acordados

 

Primeira vez diante do mar

Levei um susto belo

Onde termina o mar?

É inumano pensar

Mas penso no pequeno gesto

Nas pequenas coisas

Na leveza das impurezas

Sou interiorano urbano

Guardo as lembranças pelo afeto

Íntimo de mim é o silêncio

Íntimo de mim é o deserto

A felicidade enfeita e reborda

É a alegria nos seus excessos

 

O mundo é belo antes de ser verdadeiro

Admirado antes de ser verificado,

De ser pensado

Matéria dissolve e se perde

É folha que cai no roçado

Ser feliz é o desafio

O detalhe do detalhe,

Como os olhos num rosto

Ou o musgo na árvore

A pedra no rio

Ou sol no céu da tarde

 

Tudo que me emociona também me entristece

Mas de tudo faço um sonho imaginoso

Gonzaga Leal - Sonho Imaginoso (Part. J. Velloso)
(Guito Argolo, Gonzaga Leal e J. Velloso)
CD: De Mim, 2013

Acompanhe J. Velloso pelas redes sociais:

  • Facebook - White Circle
  • spotify
  • YouTube - White Circle
  • d46fce_32cf82ff1c0a455d93890d7872d1c082-mv2
  • Instagram - White Circle

Site desenvolvido por Mirella Medeiros.